quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Tanta Gente


As ondas a lamber a areia com alta tensão de tanto sal.
O sol a metralhar raios nas ondas que se atropelam umas às outras para chegarem primeiro à areia.
As rochas roídas de ciúmes das ondas não tocarem nelas e comerem a areia mesmo à sua frente.
As pombas a calcarem a areia com pezinhos de galinha e as ondas ainda mais ciumentas, cuspindo a sua raiva contra estas.
O muro da praia sem pesos humanos.
Tanta gente nos carros a olhar o mar sem conseguirem ver nada.
Tanta gente com tantos olhos iguais.
Tanta gente com a mesma cor de olhos, com o mesmo formato, do mesmo lugar, do mesmo mundo.
Tanta gente e não está aqui mais ninguém.

3 comentários:

Anónimo disse...

Identifico-me com esse observador aborrecido com tanta gente igual. Também não vejo ninguém...

bjos, Corto

Viviane disse...

Eu só vejo uma pessoa: minha mãe.Agora que meu pai nos deixou.
Depois dela vejo tanta gente mas não enxergo ninguém.

Anónimo disse...

é no meio da rocha igual que se de
descobrem os diamantes....

beijinhos luis